Páginas

sábado, 9 de novembro de 2013

Beato João Duns Scoto, Presbítero e Teólogo Franciscano. O "Doutor Sutil", grande defensor do Dogma da Imaculada Conceição de Maria.


Beato João Duns Scoto, o "Doutor Sutil". 

     No dia 08 de novembro, Igreja faz memória ao Beato João Duns Scoto (John Duns Scot), presbítero e grande teólogo franciscano, defensor da Imaculada Conceição de Maria. 

O Beato João Scoto, numa época onde o Dogma da Imaculada Conceição de Maria ainda não havia sido reconhecido pela Igreja, portanto de livre crença ou não, foi seu grande e importantíssimo defensor. 

      Nas Universidades de Oxford e Paris, onde foi professor efetivo e catedrático de teologia, apesar de sua jovem idade (faleceu aos 43 anos de idade apenas), deixou numerosos escritos e ensinamentos, especialmente luminosos no tocante à defesa da Imaculada Conceição de Maria e no aprofundamento do Mistério da Encarnação do Verbo Divino. 
     Transcrevo agora uma catequese proferida pelo então Papa (hoje, emérito) Bento XVI a um grupo de peregrinos reunidos no Salão São Paulo, no Vaticano, em julho de 2007. 
Leiam com atenção e vejam que beleza de catequese essa proferida por nosso estimado e venerado Papa Emérito Bento XVI:



Catequese sobre o Beato João Duns Scoto dirigida pelo Papa Bento XVI aos grupos de peregrinos do mundo inteiro, reunidos na Sala Paulo VI para a audiência geral desta quarta-feira (07/2007)

"Queridos irmãos e irmãs:
Nesta manhã – depois de algumas catequeses sobre diversos grandes teólogos – quero apresentar-vos outra figura importante na história da teologia: trata-se do beato João Duns Scoto, que viveu no final do século XIII.
Uma antiga inscrição sobre seu túmulo resume as coordenadas geográficas da sua biografia: 'A Inglaterra o acolheu; a França o educou; Colônia, na Alemanha, conserva seus restos; na Escócia ele nasceu'. Não podemos descuidar estas informações, também porque temos poucas notícias sobre a vida de Duns Scoto. Ele nasceu provavelmente em 1266, em um povoado que se chamava precisamente Duns, nas proximidades de Edimburgo.
Atraído pelo carisma de São Francisco de Assis, entrou na família dos Frades Menores e, em 1291, foi ordenado sacerdote.
Dotado de uma inteligência brilhante e levada à especulação – essa inteligência pela qual mereceu da tradição o título de Doctor subtilis, 'Doutor sutil' -, Duns Scoto foi dirigido aos estudos de filosofia e de teologia nas célebres universidades de Oxford e de Paris. Concluída com êxito sua formação, dedicou-se ao ensino da teologia nas universidades de Oxford e de Cambridge, e depois de Paris, começando a comentar, como todos os Mestres do seu tempo, as Sentenças de Pedro Lombardo. As principais obras de Duns Scoto representam precisamente o fruto maduro dessas lições, e tomam seu título dos lugares nos quais lecionou: Opus Oxoniense (Oxford), Reportatio Cambrigensis (Cambridge), Reportata Parisiensia (Paris). De Paris ele se afastou quando, após o começo de um grave conflito entre o rei Felipe IV, o Belo e o Papa Bonifácio VIII, Duns Scoto preferiu o exílio voluntário, ao invés de assinar um documento hostil ao Sumo Pontífice, como o rei havia imposto a todos os religiosos. Assim, por amor à Sé de Pedro, junto aos frades franciscanos, abandonou o país.
Queridos irmãos e irmãs: este fato nos convida a recordar quantas vezes, na história da Igreja, os crentes encontraram hostilidade e sofreram inclusive perseguições por causa de sua fidelidade e de sua devoção a Cristo, à Igreja e ao Papa. Nós todos contemplamos com admiração esses cristãos, que nos ensinam a proteger como um bem precioso a fé em Cristo e a comunhão com o Sucessor de Pedro e, assim, com a Igreja universal.
No entanto, as relações entre o rei da França e o sucessor de Bonifácio VIII logo voltaram a ser amistosas e, em 1305, Duns Scoto pôde voltar a Paris para lecionar teologia com o título de Magister regens, que hoje seria o de professor efetivo. Sucessivamente, os superiores o enviaram a Colônia como professor do Studium teológico franciscano, mas ele morreu no dia 8 de novembro de 1308, com apenas 43 anos de idade, deixando, contudo, um número relevante de obras.



Por ocasião da fama de santidade de que gozava, seu culto se difundiu em pouco tempo na ordem franciscana e o venerável (na época da audiência) Papa João Paulo II quis confirmá-lo solenemente beato no dia 20 de março de 1993, definindo-o como 'Cantor do Verbo Encarnado e Defensor da Imaculada Conceição'. Nesta expressão está sintetizada a grande contribuição que Duns Scoto ofereceu à história da teologia.
Antes de tudo, meditou sobre o mistério da Encarnação e, ao contrário de muitos pensadores cristãos da época, sustentou que o Filho de Deus teria se feito homem ainda que a humanidade não tivesse pecado. Ele afirma, na Reportata Parisiensa: “Pensar que Deus teria renunciado a esta obra se Adão não tivesse pecado seria totalmente irracional. Digo, portanto, que a queda não foi a causa da predestinação de Cristo, e que, ainda que ninguém tivesse caído, nem o anjo, nem o homem, nesta hipótese Cristo teria estado ainda predestinado da mesma forma” (in III Sent., d. 7, 4). Este pensamento, talvez um pouco surpreendente, nasce porque, para Duns Scoto, a Encarnação do Filho de Deus, projetada desde a eternidade por parte de Deus Pai em seu plano de amor, é cumprimento da criação e torna possível a toda criatura, em Cristo e por meio d’Ele, ser cumulada de graça e dar louvor e glória a Deus na eternidade. Duns Scoto, ainda consciente de que, na realidade, por causa do pecado original, Cristo nos redimiu com sua Paixão, Morte e Ressurreição, reafirma que a Encarnação é a maior e mais bela obra de toda a história da salvação e que esta não está condicionada por nenhum fato contingente, mas é a ideia original de Deus de unir finalmente todo o criado consigo mesmo na pessoa e na carne do Filho.
Fiel discípulo de São Francisco, Duns Scoto amava contemplar e pregar o mistério da Paixão salvífica de Cristo, expressão do amor imenso de Deus, que comunica com grandíssima generosidade fora de si os raios da sua bondade e do seu amor (cf. Tractatus de primo principio, c. 4). E este amor não se revela somente no calvário, mas também na Santíssima Eucaristia, da qual Duns Scoto era devotíssimo e que via como o sacramento da presença real de Jesus e como o sacramento da unidade e da comunhão que nos induz a amar-nos uns aos outros e a amar a Deus como o Sumo Bem comum (cf. Reportata Parisiensia, in IV Sent., d. 8, q. 1, n. 3).
Queridos irmãos e irmãs: esta visão teológica, fortemente 'cristocêntrica', abre-nos à contemplação, ao estupor e à gratidão: Cristo é o centro da história e do cosmos, é Aquele que dá sentido, dignidade e valor à nossa vida. Como o Papa Paulo VI em Manila, também eu, hoje, quero gritar ao mundo: '[Cristo] é o revelador do Deus invisível, é o primogênito de toda criatura, é o fundamento de tudo; é o Mestre da humanidade, é o Redentor; nasceu, morreu e ressuscitou por nós; Ele é o centro da história e do mundo; é Aquele que nos conhece e que nos ama; é o companheiro e o amigo da nossa vida… Eu nunca terminaria de falar d’Ele' (Homilia, 29 de novembro de 1970).
Não somente o papel de Cristo na história da salvação, mas também o de Maria é objeto da reflexão do Doctor subtilis. Na época de Duns Scoto, a maior parte dos teólogos opunha uma objeção, que parecia insuperável, à doutrina segundo a qual Maria Santíssima esteve isenta do pecado original desde o primeiro instante da sua concepção: de fato, a universalidade da Redenção levada a cabo por Cristo, à primeira vista, poderia parecer comprometida por uma afirmação semelhante, como se Maria não tivesse tido necessidade de Cristo e da sua redenção. Por isso, os teólogos se opunham a esta tese. Duns Scoto, então, para fazer compreender esta preservação do pecado original, desenvolveu um argumento que foi depois adotado também pelo Papa Pio IX em 1854, quando definiu solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria. E este argumento é o da “redenção preventiva”, segundo a qual a Imaculada Conceição representa a obra de arte da Redenção realizada em Cristo, porque precisamente o poder do seu amor e da sua mediação obteve que a Mãe fosse preservada do pecado original. Portanto, Maria está totalmente redimida por Cristo, mas já antes da sua concepção. Os franciscanos, seus irmãos, acolheram e difundiram com entusiasmo esta doutrina, e os demais teólogos – frequentemente com juramento solene – se comprometeram a defendê-la e aperfeiçoá-la.

Beato João Duns Scoto
A este respeito, gostaria de evidenciar um dado que me parece importante. Teólogos de valor, como Duns Scoto sobre a doutrina da Imaculada Conceição, enriqueceram com sua contribuição específica de pensamento o que o Povo de Deus já acreditava espontaneamente sobre a Beatíssima Virgem, e manifestava nos atos de piedade, nas expressões da arte e, em geral, na vida cristã. Assim, a fé, tanto na Imaculada Conceição como na Assunção corporal de Nossa Senhora já estava presente no Povo de Deus, enquanto a teologia não havia encontrado ainda a chave para interpretá-la na totalidade da doutrina da fé. Portanto, o Povo de Deus precede os teólogos e tudo isso graças a esse sensus fidei sobrenatural, isto é, essa capacidade infundida pelo Espírito Santo, que capacita para abraçar a realidade da fé, com a humildade do coração e da mente. Neste sentido, o Povo de Deus é “magistério que precede” e que deve ser depois aprofundado e acolhido intelectualmente pela teologia. Que os teólogos possam sempre colocar-se à escuta dessa fonte da fé e conservar a humildade e a simplicidade dos pequenos! Recordei isso há alguns meses, dizendo: 'Existem grandes doutos, grandes especialistas, grandes teólogos, mestres da fé, que nos ensinaram muitas coisas. Penetraram nos pormenores da Sagrada Escritura (…), mas não puderam ver o próprio mistério, o verdadeiro núcleo (…). O essencial permaneceu escondido! (…) Pensemos em Santa Bernadete Soubirous; em Santa Teresa de Lisieux, com a sua nova leitura da Bíblia ‘não científica’, mas que entra no coração da Sagrada Escritura' (Homilia. Missa com os Membros da Comissão Teológica Internacional, 1º de dezembro de 2009).
Finalmente, Duns Scoto desenvolveu um ponto no qual a modernidade é muito sensível. Trata-se do tema da liberdade e da sua relação com a vontade e com o intelecto. Nosso autor sublinha a liberdade como qualidade fundamental da vontade, iniciando uma postura de tendência voluntarista, que se desenvolveu em contraposição com o chamado intelectualismo agostiniano e tomista. Para São Tomás de Aquino, que segue Santo Agostinho, a liberdade não pode ser considerada uma qualidade inata da vontade, mas o fruto da colaboração da vontade com o intelecto. Uma ideia da liberdade inata e absoluta colocada na vontade que precede o intelecto, tanto em Deus como no homem, corre o risco, de fato, de levar à ideia de um Deus que não estaria ligado tampouco à verdade nem ao bem. O desejo de salvar a absoluta transcendência e diversidade de Deus com uma afirmação tão radical e impenetrável da sua vontade não leva em consideração que o Deus que se revelou em Cristo é o Deus 'logos', que agiu e age repleto de amor a nós. Certamente, como afirma Duns Scoto na linha da teologia franciscana, o amor supera o conhecimento e é capaz de perceber cada vez mais o pensamento, mas é sempre o amor de Deus 'logos' (cf. Bento XVI, Discurso em Ratisbona, 'Enseñanzas de Benedicto XVI', II [2006], p. 261). Também no homem a ideia de liberdade absoluta, colocada na vontade, esquecendo o nexo com a verdade, ignora que a própria liberdade deve ser libertada dos limites que lhe foram postos pelo pecado.
Falando aos seminaristas de Roma, no ano passado, eu recordava que 'a liberdade, em todas as épocas, foi o grande sonho da humanidade, desde o início, mas particularmente na época moderna'. (Discurso ao Pontifício Seminário Maior Romano, 20 de fevereiro de 2009). Mas precisamente a história moderna, além da nossa experiência cotidiana, ensina-nos que a liberdade é autêntica e ajuda na construção de uma civilização verdadeiramente humana somente quando está reconciliada com a verdade. Quando se separa da verdade, a liberdade se converte tragicamente em princípio de destruição da harmonia interior da pessoa humana, fonte de prevaricação dos mais fortes e dos mais violentos e causa de sofrimentos e de lutos. A liberdade, como todas as faculdades de que o homem está dotado, cresce e se aperfeiçoa, afirma Duns Scoto, quando o homem se abre a Deus, valorizando essa disposição à escuta da sua voz, que ele chama de potentia oboedientialis: quando nos colocamos à escuta da Revelação divina, da Palavra de Deus, para acolhê-la, então somos alcançados por uma mensagem que enche de luz e de esperança nossa vida e somos verdadeiramente livres.
Queridos irmãos e irmãs: o beato Duns Scoto nos ensina que, na nossa vida, o essencial é crer que Deus está perto de nós e nos ama em Jesus Cristo; e cultivar, portanto, um profundo amor a Ele e à sua Igreja. Desse amor nós somos as testemunhas nesta terra. Que Maria Santíssima nos ajude a receber este infinito amor de Deus do qual gozaremos plenamente pela eternidade no céu, quando finalmente nossa alma estará unida para sempre a Deus, na comunhão dos santos.
[No final da audiência, o Papa cumprimentou os peregrinos em vários idiomas. Em português, disse:]
Queridos irmãos e irmãs:
Dotado de uma inteligência brilhante inclinada à especulação, que lhe valeu o título de 'Doutor subtil', o Beato João Duns Escoto pode ter a sua vida resumida nas palavras duma antiga inscrição que se encontra na sua tumba: 'A Inglaterra o acolheu; a França o instruiu; Colônia, na Alemanha, conserva os seus restos; na Escócia ele nasceu'. Atraído pelo carisma de São Francisco de Assis, ingressou na Ordem dos Frades Menores, caracterizando a sua vida e pensamento por um forte cristocentrismo, pela defesa da Imaculada Conceição de Maria e por um profundo amor ao Papa. Sobre o Filho de Deus, alegava que este se teria encarnado mesmo sem que a humanidade tivesse pecado, uma vez que a Encarnação estaria projetada desde a eternidade por Deus Pai no seu plano amoroso. De fato, esse amor imenso de Deus se revelaria na Paixão salvífica de Cristo e na Eucaristia, da qual Duns Escoto afirmava ser o sacramento da Unidade e da Comunhão que leva a nos amar uns aos outros e amar a Deus como Sumo Bem comum. Seguindo o sensus fidei do Povo de Deus desenvolveu o tema da 'redenção preventiva' segundo o qual a Imaculada Conceição representa a obra-prima da redenção operada por Cristo, ao preservar Maria da mancha do pecado original. Morreu ainda jovem, com fama de santidade, legando um número relevante de obras.

Uma saudação cordial aos peregrinos de língua portuguesa, com votos de que sejais sobre esta terra testemunhas do amor de Cristo, consolidando a fé que professais através da visita às tumbas dos Apóstolos Pedro e Paulo. Que Deus vos abençoe"!

Beato João Duns Scoto, Cantor da Encarnação do Verbo e Defensor
da  Imaculada Conceição de Maria, rogai por nós! 

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Todos os Santos da Ordem dos Pregadores (Dominicanos)


Hoje a Ordem dos Pregadores (Ordem Dominicana) comemora a Festa de Todos os Santos de sua Ordem. 
A Ordem dos Pregadores, ou Dominicanos, fui fundada no século XIII por São Domingos de Gusmão. Na época, o santo, preocupado com a Igreja tão devastada por heresias que punham em perigo a fé principalmente dos incautos e ignorantes, resolveu fundar uma Ordem religiosa que se dedicasse à pregação da Palavra e da doutrina da Igreja com o ardor e fidelidade necessários. 
Esta Ordem concedeu à Igreja grandes santos e santas, verdadeiros luzeiros que a enriqueceram e a tornaram ainda mais brilhante em meio as trevas do mundo. 
A Ordem Dominicana também foi uma grande divulgadora da devoção ao Santíssimo Rosário de Maria, devoção mariana maravilhosa, santificante e santificadora quando bem praticada e vivida. 
São tantos os santos e santas que, se fossem citados todos, encheríamos páginas, principalmente se contássemos com os beatos e beatas também. 
Citarei os mais "famosos", digamos assim:
- São Domingos de Gusmão (fundador)
- São Luís Beltrán
- São Pedro de Verona (mártir)
- São Vicente Férrer (grande pregador e taumaturgo)
- São Jacinto Odrovaz (apóstolo da Polônia)
- São Raimundo de Peñaforte
- Santo Ambrósio de Siena
- Beato Gonçalo do Amarante
- Beato Alano de La Roche
- Beato Fra Angélico (grande pintor sacro do século XIII)
- Santo Tomás de Aquino (grande teólogo e Doutor da igreja)
- Santo Alberto Magno (Bispo e Doutor da Igreja. Um auto didata em múltiplas ciências. Um dos homens mais inteligentes que existiram na terra)
- São Pio V (papa)
- Santa Catarina de Sena (mística e doutora da Igreja)
- Santa Catarina Ricci
- Santa Rosa de Lima (padroeira da América Latina)
- Santa Inês de Montepulciano
- São Martinho de Porres
- São Bartolomeu dos Mártires (bispo)
- São Francisco Coll Guidart
- São João Macías, etc. 

Que no Céu, esses santos e santas da Ordem de São Domingos intercedam por toda a Igreja, principalmente nestes tempos tão perigosos para a fé e os bons costumes de tantas e tantas almas.  

Todos os Santos Dominicanos, rogai por nós! 

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Beatos Mártires Espanhóis Beatificados em 2007 (Guerra Civil Espanhola, 1936)


Os 498 Beatos Mártires Espanhóis Beatificados em 2007
Hoje a Igreja também faz memória aos 498 Beatos Mártires Espanhóis beatificados pelo Santo Padre Bento XVI em 2007.
Muito possivelmente poucos católicos brasileiros sabem que o século XX foi um dos séculos mais sangrentos para a Igreja Católica em toda a sua história. São dezenas, talvez, centenas de milhares os mártires (bispos, padres, religiosos, religiosas e leigos) que testemunharam sua fé e fidelidade com o derramamento de sangue, principalmente no período da famigerada "Guerra Civil Espanhola" (1934 - 1937), na Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945), bem como pelo comunismo que dominou a então "União Soviética", Albânia, Alemanha Oriental, Polônia, Bulgária, Tcheco-Eslováquia, Hungria e, até os dias atuais, China, Coréia do Norte e Cuba. 
Ainda hoje a Igreja e os cristãos católicos são perseguidos nos atuais países comunistas, bem como nos países onde o islamismo é seguido e praticado com fanatismo religioso. 
Mas, hoje, lembramos de forma especial os vários mártires que derramaram seu sangue na Espanha (a grande maioria no ano de 1936), pelo simples fato de serem católicos. Não havia julgamento. Os revolucionários comunistas que queriam impor um regime ateu e anti clerical a todo custo na Espanha, simplesmente invadiam igrejas, casas paroquiais, seminários, conventos, mosteiros e/ou colégios católicos, de lá retiravam bispos, padres (diocesanos ou religiosos), seminaristas, frades, irmãos, monges, monjas, freiras ou leigos e, sumariamente, os executavam sem direito algum a defesa. Ao brado de "Viva Cristo Rey!" tombavam nos pelotões de fuzilamento (alguns em ruas, praças ou terrenos baldios), ou mesmo perfurados por tiros de revólveres ou por punhaladas. Triste, meus irmãos e irmãs! Muito triste! As histórias dos mártires são, ao mesmo tempo, belas e heroicas, como também revoltantes. 
Mas, como dizia o grande Tertuliano: "o sangue dos mártires é semente de novos cristãos". Deus muitas vezes se serve do sacrifício de seus servos e amigos fiéis para que, na economia da salvação, a misericórdia divina chegue a mais e mais almas, convertidas graças aos méritos dos mártires. 
Que Deus, pela intercessão dos mártires, derrame seu Espírito Santo sobre sua Santa Igreja, atualmente tão atacada por satanás e seus demônios, concedendo muitas conversões sinceras e perseverantes, bem como vocações santas. 
Amém!
Bem-Aventurados Mártires Espanhóis, rogai por nós! 


Beatos Mártires Franciscanos (Frades Menores)

Beatos Mártires Maristas
Beatos Mártires Lassalistas

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Beata Josefa Naval Girbés, Virgem da Ordem Carmelita Descalça Secular, modelo de santidade leiga e de apostolado paroquial.

VIDA E DOUTRINA
DA
BEATA JOSEFA NAVAL GIRBÉS, OCDS.



Os antigos registros da Venerável Ordem Terceira da Ordem do Carmo se perderam, sobretudo por causa da devastação e dos incêndios durante a famigerada Guerra Civil Espanhola (1936-1939). Também desapareceram tanto os registros das paróquias como os dos conventos da Ordem. Por esta razão não temos um texto oficial da inscrição de Josefa Naval Girbés em nossa Ordem Secular.


Sabemos, com certeza, pelas disposições realizadas no Processo Ordinário (para a causa de Beatificação-Canonização) e por dados recolhidos na “Biografia da Serva de Deus Josefa Naval Girbés”, escrita pelo Pe. Bernardo Asensi Cubells (Valência, 1957; 2ª. 1962) que a Beata “foi inscrita na Ordem Terceira do Carmelo” e que, como tal, “dispôs que por ocasião de sua morte a revestissem com o hábito do Carmo”, que “tinha uma especial devoção ao Escapulário do Carmo”, e que por causa disso, quando morreu, suas discípulas “lhe vestiram... o hábito carmelitano, visto que pertencia à Ordem Terceira do Carmo”.
Sabemos ademais pelo livro “Algemesi e sua patrona” (1907), que a Fraternidade do Carmo havia sido fundada nessa cidade em 1854, e por tradição conservada em Algemesi e comunicada oralmente por várias pessoas ao Postulador Geral em algumas das visitas à cidade: que existiam alguns grupos de Irmandades do Carmo em vários lugares da Província de Valência, cuja condição era de “agregados à Terceira Ordem desta cidade” e que, no final do século XIX, havia muita comunhão entre a Ordem Terceira de Algemesi e os Padres Carmelitas de Alboraya, em Valência, cuja Comunidade havia sido restabelecida em 1884, e que, em seus registros, os Terceiros Seculares existiam em mais de um milhar em 1891.
À luz do Vaticano II, a quem se deve a abertura do campo para os seculares dentro da Igreja, foi convocado o Sínodo dos Bispos de 1987, que tão ampla e profundamente estudou o papel que, na Igreja e no mundo, têm os seculares. Damos a conhecer a vida de Josefa Naval Girbés, apresentando-a como exemplo do que o citado Sínodo propôs como norma de vida cristã ao amplo número de membros da Igreja constituído pelos seculares.
Josefa Naval Girbés nasceu em Algemesi, Província de Valência, Espanha, no dia 11 de dezembro de 1820. Algemesi era um povoado eminentemente agrícola, com quase 8000 habitantes, uma única paróquia, um convento de Dominicanos, um hospital, escassos centros de instrução e poucas indústrias elementares. Foram seus pais Francisco Naval Carrasco e Josefa Girbés, e seus cinco irmãos: Maria Joaquina (morreu pequena), outra Maria Joaquina, Vicente, Peregrina (morreu aos 14 anos) e a pequena Josefa (que morreu apenas nascida).
De seus pais herdou Josefa, seu grande espírito de fé, sua ardente caridade, seu amor ao trabalho e o desejo ardente de viver sempre na graça de Deus. Maria Josefa recebeu o Santo Batismo no mesmo dia em que nasceu. Desde aquele momento só a chamavam com o nome de Josefa, mas alguns de seus devotos a seguem chamando de “Senhora Pêpa”.
Quando Josefa tinha oito anos, recebeu o Sacramento da Confirmação. Adquiriu uma cultura elementar, suficiente para desenvolver-se em meio no qual se passava sua vida. Aprendeu a bordar, atividade que com tanto acerto ensinou as suas numerosas alunas.

Sua infância transcorre sem acontecimentos especiais. Em sua formação religiosa colaborou eficazmente sua mãe. Desde pequena aprendeu a amar à Santíssima Virgem, venerada perto de sua casa, no convento dos Padres Dominicanos. Desde pequena já manifestava um caráter reto, um tanto enérgico, que ela depois administraria em sua atividade apostólica.
Fez sua Primeira Comunhão quando apenas contava com nove anos e, nesta época, se comungava pela primeira vez apenas aos onze anos cumpridos.
Sua mãe morreu quando ela tinha treze anos. A Virgem dos Padres Dominicanos a inspirou que nunca a abandonaria. Josefa, com seu pai e seus três irmãos, foi viver com sua avó materna. Resultou em uma perfeita “ama” de casa, nos afazeres próprios da família. Dedicava um grande e doce cuidado com sua avó enferma, sem deixar sua vida de piedade nem dar concessões à rotina do cansaço. A avó morreu quando Josefa contava com 27 anos, ficando nesta casa com seu pai, seu tio Joaquim e seus irmãos sobreviventes Maria Joaquina e Vicente.
Seu pai morreu aos 62 anos, quando Josefa tinha 42 anos. Sua irmã Maria Joaquina se casou, morrendo aos 43 anos de idade. Seu irmão Vicente também se casou, teve três filhos que morreram muito pequenos, assim como sua esposa, pelo que já viúvo foi viver com ela. Seu tio Joaquim, um santo varão solteiro, morreu aos 77 anos, em 1870, ano no qual Josefa convidou sua discípula e confidente Josefa Esteve Trull a viver com ela, a quem, ao morrer, deixou seus bens em usufruto vitalício para que continuasse sua obra.
Josefa era de estatura mediana, nem alta, nem baixa; mais delgada do que gorda; de pele branca e fina; rosto ovalado, tinha um dente superior um pouquinho levantado que lhe fazia graça; olhos vivos e penetrantes, porém muito modestos; cabelos castanhos que logo se tornou grisalho; voz suave e acariciadora; sorria com muita frequência, porém nunca se lhe viu rir forte; seu andar era moderado; vestia-se de cor escura, com sapato baixo e algo largo: o conjunto era de humildade e modéstia.
Para melhor agradar e entregar-se a Deus, em 04 de dezembro de 1838, escolheu a Jesus como seu único esposo, e a Ele consagrou para sempre sua virgindade; permanecendo indiviso seu coração (I Cor 7, 32-34), em sua união com Cristo fez progressos incessantes e se dedicou com todas suas forças à sua própria santificação e ao serviço da Igreja e das almas, demonstrando assim que a virgindade é o verdadeiro sinal e estímulo do amor e uma muito especial fonte de fecundidade espiritual no mundo (Documento Conciliar Lumem Gentium 42, Concílio Vaticano II).
Buscava todas as oportunidades para anunciar a Cristo, por palavras e com obras, tanto aos não crentes, para atraí-los à fé, como aos fiéis, para instruí-los, confirma-los na mesma e estimulá-los a um maior fervor de vida. Com esta intenção, ensinava às meninas a doutrina cristã, visitava aos enfermos, ajudava os pobres, aconselhava os quantos acudiam a ela, restaurava a paz em famílias desunidas, para as mães organizava em sua casa um círculo com a finalidade de conduzi-las à formação cristã, encaminhava de novo à virtude às mulheres que se haviam apartado do caminho reto e admoestava com prudência aos pecadores.
Porém, a obra a qual concentrou todos os seus cuidados e energias, foi a da educação humana e religiosa das jovens, para as quais abriu em sua casa uma escola gratuita de bordado, atividade manual que muito conhecia. Aquela atividade que por si mesma era “comercial”, à qual acudiam com assiduidade e entusiasmo muitas jovens de todas as esferas sociais, se converteu em um centro de convivência fraterna, oração, louvor a Deus, explicação e aprofundamento da Sagrada Escritura e das verdades eternas.
Deste modo contribuiu eficazmente para o incremento religioso de sua paróquia, formando assim muito boas mães de família, fomentando o germe da vocação à vida consagrada e ensinando a todos o que significa serem membros do Povo de Deus. Por tudo isso, ganhou grande estima e fama de santidade entre o clero e o povo. Inclusive depois de sua morte, que ocorreu piedosamente em 24 de fevereiro de 1893, continuou estendendo-se sua lembrança devido à santidade de sua vida e de suas obras.
Vestida com o hábito da Terceira Ordem do Carmo, seu venerável corpo foi depositado em um humilde ataúde. Pela manhã do dia seguinte, 25 de fevereiro, se celebrou o funeral e, pela tarde, o enterro. A caixa mortuária foi levada por suas alunas; as argolas brancas que pendiam do ataúde, por quatro das mais pequenas. Josefa foi depositada em um nicho que temporariamente adquirido e, definitivamente em 1902, por dona Josefa Esteve Trull, sua discípula predileta.
Ali permaneceu incorrupta até seu translado à paróquia, em 20 de outubro de 1946. A Cúria Arquiepiscopal de Valência iniciou a Causa de sua Canonização com a celebração do Processo Ordinário informativo durante os anos de 1950-1952, ao qual se seguiu um processo adicional em 1956. Em 03 de janeiro de 1987, Sua Santidade João Paulo II aprovava o decreto sobre as virtudes heroicas de Josefa Naval Girbés, e em setembro de 1988 o milagre proposto para sua Beatificação. A cerimônia de Beatificação se celebrou em São Pedro em 25 de setembro de 1988.


.....................................................................

                     



        VOCAÇÃO À ORDEM SECULAR


Josefa Naval Girbés é, sem dúvida, um exemplo para todos os que são chamados à santidade sem abandonar o mundo. Quer dizer, sem deixar seu lugar, sua vida familiar e seu trabalho profissional. Ela permaneceu no mundo para ser modelo de santidade para os seculares. Josefa não fez votos para a vida consagrada e não ingressou em um convento, não por comodidade ou para escapar do rigor da vida comunitária, já que no mundo, sem sair de sua casa, viveu, em plenitude, os conselhos evangélicos, para ser um modelo exequível para a maior parte dos filhos da Igreja que são os seculares.
Teve plena consciência da condição de secular na Igreja, aos treze anos era uma perfeita “ama” de casa, à frente de uma família composta por sete membros.
Josefa andou pelos caminhos da santidade em total entrega a Deus e em serviço a seus semelhantes. À sua condição de secular temos que aliar a de sua virgindade, que a introduz na intimidade com Deus e a faz disponível para uma ação apostólica visivelmente fecunda. Josefa é uma virgem secular, as duas coisas de uma só vez.
Esta mulher de Algemesi viveu no laicato da perfeição evangélica, entregando-se ao apostolado entre as jovens de seu povo, sendo um convite para a grande maioria dos cristãos que não foram chamados a uma consagração especial, e que nem por isso sua dignidade eclesial é menor. Ela que encheu os conventos de clausura, com virgens de vida consagrada, permaneceu no mundo para ser testemunho sem ter que abandona-lo. Foi testemunha de como a consagração a Deus é sinal e estímulo do amor e uma muito especial fonte de fecundidade em meio ao mundo. Santificar-se e santificar! Foi a norma de conduta desta Beata; e fazer sempre e em tudo a vontade de Deus, em circunstâncias ordinárias da vida e no cumprimento de seus deveres de estado.
Josefa, sem sombra de dúvida, pensou na possibilidade de orientar sua vida até algum convento; claro que consultou esta possibilidade com seu diretor espiritual, porém, com as luzes que o Senhor lhe concedeu e que ela recebeu com humildade e obediência e com o conselho de seus diretores, viu claramente que devia continuar no mundo sendo guia de almas que necessitavam de sua direção, seu exemplo de entrega a Deus e da ação benéfica de sua atividade apostólica.
Seu lugar na Igreja esteve sempre bem definido, desde o mundo para o mundo, desde Deus para os homens. O chamamento à perfeição que consiste fundamentalmente na união com Deus pelo amor, vivendo fielmente sua vontade, foi assumida por Josefa, desde sua condição de secular.
Viver em plenitude o amor a Deus e praticar esse amor na acolhida do próximo. Ela viveu na vizinhança dos demais irmãos e irmãs e, nesta vizinhança, o caminho de sua perfeição. “Procurai a perfeição com simplicidade”, e insistia: “temos que chegar à perfeição custe o que custar!”.


              IDEAIS VOCACIONAIS

Josefa Naval Girbés, como abrindo de par em par sua alma, dizia muitas vezes: “meu ideal não é largar a vida, senão santificar minha alma”. Praticou em grau heroico as virtudes teologais da fé, esperança e amor, cujo exercício, bem sabemos os Carmelitas, nos levam ao abandono, à abnegação e à doação de nós mesmos, como ideais vocacionais.

Sua vida era toda para Deus: “temos que retorcer a vontade própria para que solte tudo o que não é vontade de Deus”. Essa vontade a descobria, com grande espírito de fé, em sua santa lei e nas obrigações do próprio estado. O apreço pelo cumprimento do dever que ela vivia e que ensinou a suas discípulas, se traduz nestas palavras: “o cumprimento do dever é o caminho; o grau de amor com que se cumpre é a medida da virtude que tem a alma”.
Josefa teve sempre um claro conhecimento da bondade de Deus, por isso pôs nEle toda sua confiança; ela que aspirava aos bens eternos e trabalhava por consegui-los, contava sempre com a ajuda de Deus. Para lográ-los consagrou toda sua vida: seus sofrimentos, que não foram poucos, ocasionados em grande parte por sua enfermidade, que a acompanhou desde os trinta anos até sua morte; seus trabalhos, os domésticos que ela teve que enfrentar desde os treze anos, e os que ela se impôs na escola-atelier que fundara; seus desvelos apostólicos que a levavam a preocupar-se com todos os que padeciam alguma carência material ou moral.
Ela esteve sempre nas mãos de Deus. Infundir esta confiança no coração de suas alunas foi sua tarefa. Assim dizia: “que nenhuma de vocês desconfie à vista de seus muitos pecados; nossa confiança não se apoia no que nós somos, senão no que Deus é e no amor misericordioso que Ele nos tem”.
Josefa foi uma humilde serva do Senhor. O humilde reconhece seu nada, sua inteira dependência de Deus e em suas mãos confia. Anulava-se no templo, ante a imensa majestade de Deus; e essa atitude humilde se prolongava durante todo o dia, em que se dedicava a toda espécie de trabalhos, alguns os mais humildes. Nunca consentiu que suas discípulas lhe ajudassem nos trabalhos ordinários de sua casa. Amava o retiro e o passar despercebida. Não falava de se mesma e nem de suas coisas. Nunca se fez objeto de festas ou de comemorações. Querendo enamorar suas alunas da virtude da humildade, lhes dizia: “Somos o que somos diante de Deus; haveremos de fazer as coisas com grande pureza de intenção. Procedendo desta maneira, se logo nos desprezam, devemos nos calar e não nos defendermos, ainda que, humanamente, tenhamos razão”.
O amor de Deus preenchia toda a vida de Josefa, a fé a fazia ver a Deus como infinitamente amável. Ele é o Bem Absoluto que sacia todas as aspirações da alma. Merece, pois, ser amado. Seu amor era um amor profundo na abnegação, no sacrifício, na entrega total ao cumprimento de sua vontade: “amar a Deus é entregar-se; amar a Deus é sofrer; o amor verdadeiro se prova com o sacrifício”.
Porém sabia que o amor a Deus passa também pelo meridiano do amor ao próximo. Amar ao próximo por Deus, amor que começa da convicção de que somos filhos de Deus e irmãos de Jesus Cristo. Tinha muito presente a Palavra de Deus (I João 4,20). Amou aos seus: a seus pais, a sua avó, a seu tio, a seus irmãos, ainda que um deles, Vicente, tivesse com ela um trato pouco amável, quando já viúvo, veio viver com ela. Amou a seus superiores, especialmente os sacerdotes, entre os quais cabe destacar a seus sábios diretores espirituais. Amou a suas discípulas, com paixão proporcionada a seu zelo. Porém, sobre tudo, amou aos indigentes, aos quais dedicou seus melhores afãs.
Seu amor à cruz foi uma mensagem constante para todas suas alunas. Assim dizia: “correspondamos ao amor sacrificado de Jesus em sua paixão. Haveis de levar a vossa cruz, cumprindo o dever como Deus manda. Sofrei com amor, aproveitando todas as ocasiões de pequenas doenças. Amar, amar e sofrer em silêncio; o amor se prova no sacrifício. Sacrificai vossos gostos”.




              VIVÊNCIA DO CARISMA CARMELITANO

Alma de vida interior, aspirou sempre à perfeição. Para alcançá-la, se valeu dos meios que o carisma carmelitano põe a nossa disposição para fazê-los experiência de vida.
ORAÇÃO - Josefa Naval foi uma alma de profunda vida interior. Sua fé a levava à convicção de que Deus, Uno e Trino, habita em uma alma em estado de graça. Ela viveu em plenitude aquele anúncio de Jesus Cristo: “a quem me ama, meu Pai o amará, e viremos a ele e faremos nele nossa morada” (João 14, 23). Tão compenetrada estava com essas verdades que às vezes parecia como absorta em meio de suas ocupações. Mais de uma vez tinha que se retirar a seu quarto, onde abstraída, com as mãos juntas e os olhos fechados, dedicava longo tempo à contemplação.
Alimentava sua vida interior com a Eucaristia e a oração. Oração vocal que aprendeu dos lábios de sua mãe. Oração mental que realizava nas primeiras horas da manhã, em sua paróquia, depois de sua Missa e comunhão. O trato íntimo com seu Esposo, Jesus, se acentuava na comunhão eucarística de cada dia, que ela renovava com frequência na comunhão espiritual. E, ao encerrar as tarefas do dia, antes do descanso noturno, roubava algum tempo do descanso da noite para dá-lo a um trato íntimo com o Senhor. Nesta comunicação secreta com Deus, Josefa experimentava arroubamentos que silenciava com humildade.
Orando durante o trabalho, exercitando a presença de Deus com jaculatórias, vivia plenamente a presença de Deus. Dizia insistentemente a suas alunas: “levai convosco a presença de Deus”; e ajuntava: “tenhamos muita devoção à Santíssima Trindade, que mora em uma alma em estado de graça”. Deste seu espírito de fé na presença de Deus na alma brotava sua devoção ao Espírito Santo. Como celebrava Sua festa anual! Pentecostes era ocasião propícia para impulsionar em suas alunas o amor a Deus que tanto nos ama. Assim, com o motivo desta solenidade, organizava entre elas, durante três dias, turnos de oração e penitência.
A oração do Ângelus ao meio dia, e algumas outras práticas de piedade, entre as que sobressaía era a reza do Rosário a cada dia, se possível com suas discípulas.
Esta era sua repetida mensagem: “oração, oração; fazer a cada dia um momento de oração e tudo vos parecerá maneiro e suave. Aprendei a falar com Deus sem palavras e fazei assim um momento de oração meditativa. Diante do sacrário havemos de estar com grandíssima fé e reverência”; este último conselho ela dizia como expressão de seu espírito eucarístico.

PENITENCIA E MORTIFICAÇÃO. - Consciente das dificuldades que se opõem à perfeição, dizia a suas alunas: “filhas minhas, não temos que temer demasiadamente as dificuldades do caminho que temos empreendido; é verdade que esse caminho é pedregoso e está cheio de trabalhos e privações, porém também é certo que nosso Divino Capitão o trilhou durante sua vida, paixão e morte”. Viveu sempre unida às dores de Cristo, a esses sofrimentos redentores de Cristo uniu os seus, aquelas dores de cabeça que sofreu desde os trinta anos até sua morte e as penitências, inclusive materiais, que se impunha e autorizavam seus diretores. Praticou heroicamente a virtude da fortaleza, que fortalece a alma para servir a Deus, sem deter-se por nada, nem ante nada, nem sequer ante o temor da morte.
Era exigente consigo mesma, logo o era também com os demais. Para exercitar-se na fortaleza, seguindo adiante com exemplo, propunha a suas discípulas a prática da mortificação. Mortificações às vezes simples, porém saturadas de vitória contra si própria que pouco a pouco a preparavam a oferecimentos mais amplos e generosos. Dizia às suas alunas: “filhas minhas, se é necessária a fortaleza para empreender o caminho de Deus, não o é menos para aceitar o que Ele envia ou permite para nossa purificação, a saber: moléstias, enfermidades, desprezos...”.
Outra das virtudes que Josefa exercitou heroicamente foi a da temperança, necessária para moderar a inclinação ao prazer sensível, que pode impedir a perfeição e conseguir assim a posse de Deus. Fez como norma de sua vida aquela que São Paulo pregava: “castigo meu corpo e o reduzo à servidão” (I Cor 9,27). Castigou seu corpo, porém com prudência. Sua comida era sóbria, mas bem pouca e às vezes, voluntariamente, sem sabor. Não comia carne, a não ser por prescrição médica. Não bebia vinho (coisa muito comum naquela época e em sua região). Jejuava com certa frequência. Na Semana Santa não comia nada desde Quinta-Feira Santa até o dia do “Glória” (noite do Sábado Santo).
Usava cilícios (instrumento de penitência, tipo cinturão largo ou faixa larga de couro com pontinhas de ferro contra a pele, nos braços ou abdome), empregava disciplinas (pequeno flagelo de couro, com o qual a pessoa se auto açoitava, principalmente durante a reza de salmos penitenciais, tipo o Salmo 50 e o Salmo 29); sempre com anuência de seus santos diretores espirituais. Sobre tudo aceitava com amor tudo o que Deus lhe enviava. Suas cruzes eram um regalo. Nunca comentava sobre seus sofrimentos (enfermidades) que eram muitos.
À mortificação exterior superava a interior; essa vitória contra si própria que ela dissimulava com seu perene sorriso. Ninguém adivinhava que ela estava constantemente vigilante sobre suas paixões; porque tudo o fazia com grande naturalidade, sem sobressaltos, sem por em perigo sua inata longanimidade e equilíbrio emocional.


APOSTOLADO. - Josefa foi uma apóstola de seu tempo, alma entregue a Deus ao serviço das jovens, especialmente aquelas de pobre condição social. Seu espírito observador captou as carências das jovens, profundamente influenciadas pelo ambiente de seu século (Nota: não estaríamos vivendo agora a mesma realidade?). Não foi a única na Igreja de seu tempo nesta luta por levar a salvação de Cristo às jovens mais necessitadas, porém foi uma das que com maior dedicação, com mais ardor, com mais calor humano se dedicou a esse trabalho apostólico, desde sua pequenez de virgem secular, desde sua humilde condição de professora de bordado, desde suas profundas convicções religiosas, sobre tudo, desde seu ardente amor pelas almas remidas por Cristo!
Ela se antecipou ao Concílio Vaticano II, vivendo sua condição de secular no meio do mundo, para o serviço de Deus, em obras concretas de apostolado. Entregou-se ao apostolado dos humildes num século em que a classe trabalhadora irrompe na história para defender seus interesses materiais, ainda que a custa de afastar-se do que ensina a Igreja, com a delicadeza de uma mulher que, desde sua entrega a Deus, se fez toda para todos, para levá-los todos a Cristo (à imitação do Apóstolo S. Paulo). Quando Josefa completava os trintas anos de idade, seu confessor reflexiona largamente sobre os planos apostólicos de sua dirigida e aprova a criação daquela escola-oficina (ou ateliê) como “Coisa de Deus!”. Aquela casa onde ela foi viver desde os treze anos produziu fervorosas religiosas, abnegadas esposas, mães de família e jovens praticantes, de vida secular consagrada. À casa que herdou de sua avó acudiam as jovens, atraídas pelo zelo ardente de sua mestra, por sua fé vivíssima, por seu espírito de amor provado no sacrifício, por seu otimismo, por sua alegria..., e pelo alimento espiritual que lhes proporcionava. Tudo por seu amor a Deus, tudo por seu ardente amor pelas almas.
A jornada diária de Josefa acabava sendo muito apertada: levantava muito cedo para participar da primeira Missa da paróquia, comungava e praticava oração mental; a seguir dedicava algum tempo à limpeza; o horário da escola-oficina era das 09 as 12 e das 14 às 18 horas.

Beata Josefa Naval Girbés: 
grande apóstola leiga
em sua paróquia e diocese. 
Durante a jornada de trabalho, Josefa ensinava bordado, porém isto era o pretexto para formar a alma de suas alunas no amor a Deus. O trabalho era acompanhado de orações, jaculatórias e cânticos piedosos; entre leituras do Evangelho e da Doutrina Cristã (catecismo), se escutava a palavra da mestra, suave e enérgica ao mesmo tempo, explicando os pontos mais incisivos das leituras. Articulavam-se com estas leituras e orações, largos silêncios, que Josefa suscitava para que suas alunas se adestrassem na oração. Ali, nesse ambiente de paz, bordavam seu enxoval as jovens que iam contrair matrimônio e seu dote as que se preparavam para entrar no convento.
Sua caridade, para com o próximo, teve sempre objetivos espirituais. Assim, por exemplo: empenhava-se para que os pais batizassem quanto antes a seus filhos recém-nascidos; visitava aos enfermos que estavam em perigo de morte, procurando que recebessem os últimos sacramentos; vestia ao desnudo com delicadeza, trocando as vestes sujas e rasgadas dos mendigos por outras limpas, lavando e remendando com exemplar caridade aos que deixavam. Sua casa foi, mais de uma vez, asilo de órfãos. Por duas longas temporadas albergou crianças que haviam perdido suas mães, cuidando delas com amor maternal.
Quando verdadeiramente brilhou a caridade de Josefa, foi na epidemia de cólera de 1885, quando contava 65 anos. Ela e algumas de suas alunas se dedicaram a atender aos empestados que estavam sozinhos e, portanto, os mais necessitados de ajuda.
Sua caridade se estendia às coisas e atividades aparentemente pequenas tais como: escutar com paciência e interesse as confidências que lhe faziam as pessoas desesperadas em busca de conselho. Era muito respeitosa com a boa fama dos demais. Não tolerava em suas discípulas a menor palavra de crítica, nem de murmuração. Lembrava-se das Almas do Purgatório, rezando por elas e ensinando a suas alunas que fizessem o mesmo.
Unida intimamente a seu Divino Esposo, se cumpriu nela o que Ele disse: “Quem permanecer em mim e eu nele, este dará muito fruto” (Jo15, 5).



                 VIDA ESPIRITUAL


A vida espiritual de Josefa, tão plenamente cultivada, não foi um horto fechado para seu deleite. Ela se comprometeu com a necessidade de ir à conquista das almas, trabalhando por salvar tantas jovens ameaçadas pelo estranho ambiente do século (do mundo). Parecia que Josefa havia intuído aquela frase do Vaticano II, tão dura como importante: “há de ser considerado como inútil o membro que não contribua, segundo sua própria capacidade, para o aumento do Corpo Místico de Cristo” (AA,2). Ela entendeu, em seu tempo, que em meio ao mundo, o secular tem de atuar como fermento e que, para ser eficaz, é necessário viver unido a Cristo: “aquele que permanece em Mim e Eu nele, este dá muito fruto, porque, sem Mim, nada podeis fazer” (João 15,5).
Uma de suas discípulas nos descreve o ambiente sossegado de sua escola-oficina: “Naquela casa se respirava uma atmosfera de fé, piedade e virtude cristã e, sobre tudo, de alegria e de caridade. Nossa mestra inspirava devoção e recolhimento: vivia o espiritual com muita verdade e simplicidade, e nos infundia desejos de sermos cada dia melhores”.
Durante as horas de aula, atendia em particular às jovens que necessitavam de cuidado especial. Na habitação na qual ela praticava sua oração e suas preces, recebia às jovens que ou a pediam ou aquelas que ela chamava. Umas vezes eram jovenzinhas desejosas de que lhes ensinasse a praticar oração mental; outras vezes, eram jovens maiores, as que ela ajudava a desvanecer suas dúvidas e evitar prejuízos morais e espirituais, pelo que as deixava cheias de paz e alegria!
Também acudiam a Josefa pessoas maiores, mais ou menos crentes, e com prudência e tato orientava suas vidas, lhes dava uma grande paz interior. Uma de suas recomendações, era a de ter um confessor fixo, ter confiança nele e obedecer-lhe. Não faltaram as meninas pequenas que eram enviadas por suas mães à escola-oficina, sendo beneficiadas com suas carícias e suas lições elementares de catecismo.
Apostolado da Beata com meninas, 
adolescentes e moças de Algemesi: 
de seu "ateliê" de costura e bordado,
onde se ensinava e praticava a oração, 
a leitura da Palavra e a vivência cristã, 
saíram muitas e santas vocações 
matrimoniais e religiosas. 
As alunas mais seletas chegavam a permanecer, terminada a jornada de trabalho, para prosseguir à sua formação espiritual, de ordinário, no jardim da casa. Deste grupo escolhido saiu um amplo “jardim” de jovens religiosas; tantas que o Cardeal Guisasola, Arcebispo de Valência, em visita pastoral a Algemesi, perguntou cheio de admiração: “que povo é este que tem tantas religiosas em todos os conventos de nossa arquidiocese?”.
Porém, Josefa não descuidou das jovens com vocação para o matrimônio. A elas dedicou tempo e esforço. De sua escola saíram excelentes esposas e mães de família. A “Escola Dominical”, aos domingos à tarde, depois dos cultos vespertinos da paróquia, foi outra oficina na qual se forjavam as almas no amor de Deus! Deixemos que uma de suas alunas nos descreva o ambiente daquelas reuniões às tardes de domingo: “a casa de nossa mestra era uma casa de oração. Sua conversação era sobre coisas espirituais, alentando-nos a seguir, perfeitamente, nossa vocação. Depois de falar um pouco com ela, se saía dali sem gosto pelas coisas do mundo. Suas palavras infundiam espírito de amor pelas coisas do Céu. Levava-nos a Deus, por amor! Todas suas discípulas, ainda que o Senhor as tenha chamado ao matrimônio, tem sido piedosas, levando em suas almas a recordação eficaz de seus avisos. Dizia-nos: ‘haveis de levar vossa cruz e cumprir o próprio dever como Deus manda: as solteiras, como solteiras e as casadas, como casadas’”.
Quando Josefa tinha cinquenta e sete anos, o pai de uma de suas alunas lhe ofereceu o “Horto da Torreta”, coberto de laranjais e árvores frutíferas, para seu retiro e o de suas alunas. Ali se retirava com suas discípulas prediletas, ao entardecer dos dias de primavera e verão. Ali, enquanto anoitecia, empregava Josefa seus dons de catequista e de forjadora de almas ansiosas de perfeição: “filhas minhas, imaginemo-nos que estamos aqui como o Senhor, rodeado de seus apóstolos. Eu, em Seu nome, vos digo: sede boas, fazei tudo por amor; tende muita caridade uma com as outras; vivei com espírito de abnegação e sacrifício”.
Naqueles deliciosos entardeceres do “Horto da Torreta”, ressoava límpida, como a água das fontes vizinhas, a voz da mestra: “Nossa entrega a Deus há de excluir todo costume mundano; tudo aquilo que de alguma maneira Lhe desagrada, como são: o apego às coisas ou pessoas que nos impedem de cumprir a vontade divina; a vida dos sentidos que se opõem à perfeição que Deus nos pede. A vida superficial, que busca o gosto próprio e agradar ao mundo, não pode acompanhar-se com o verdadeiro amor”.
Josefa adestrava a suas alunas para a vida, era como sua “mãe espiritual”. A ela acudiam atrás de conselhos e na hora de escolher o estado de vida. Com aquela segurança que lhe conferia sua íntima união com Deus, dizia a umas: “Vós, ao matrimônio”; e a outras: “Vós, ao convento”.
Párocos e sacerdotes, filhos de Algemesi, com discrição e prudência, acudiam a Josefa, com a qual tinham deliciosas conversações de elevado alimento espiritual. Estas visitas de sacerdotes qualificados aumentava, em suas alunas, a admiração e o respeito que tinham por sua mestra.
Muito ajudou a formar a Josefa a gratificante ação de seus diretores espirituais. Em seu tempo teve a sorte de coincidir com sábios, santos e experientes párocos, que puseram, a seu serviço, seus dotes de guias de almas. Ela deu sempre muita importância à “direção espiritual”.
Digna filha de Santa Teresa, a recomendou vivamente a suas amadas alunas: “sede simples a dar conta ao diretor; obedecei-lhe com fidelidade e perseverança; proibido falar mal de confessores...”. Quando um de seus diretores espirituais foi transferido ao povoado de Alcira, Josefa acudia a sua direção a cada duas ou três semanas, durante seis anos, percorrendo a pé a distância, às mais das vezes acompanhada de alguma de suas discípulas, com as quais entretinha entranhadas conversações espirituais.
Lutou, com denodo, contra a tibieza, nunca se contentou com um vida espiritual lânguida; sua intransigência para o mal tinha conotações humanas: sem chegar a ser áspera em seus modos, ao contrário, era de elegante e solene caráter, com uma grande capacidade de comando que ela administrou em favor de suas amadas alunas.
Ela viveu à vizinhança do homem e, nela, o caminho de sua perfeição. Seu convento foi a casa de sua avó, onde viveu até à morte de sua mãe; a campana do convento, a voz da superiora, a vida de comunidade, as regras monásticas que asseguram o bom caminho... Todo esse modo de vida conventual o resumiu sabiamente Josefa ao ser fiel à vontade de Deus, explorada na oração e na prudente consulta a seus diretores espirituais. Josefa permaneceu no mundo, para ser exemplo de santidade para os seculares.


                  VIDA MARIANA

Josefa aprendeu a amar à Virgem Maria, desde menina, no altar do Rosário do convento dos Padres Dominicanos. Seu amor se fazia patente nestas e noutras referências: “Maria, minha Mãe, ensina-me a ser fiel e a agradar a Deus”. “Virgem Maria, minha Mãe, faz-me pura, casta, boa e santa”. Acuda-nos a Santíssima Virgem, para que nos ensine e os ajude a ser fiéis a Deus”.
Amante da pureza, que ela havia vivido sempre em plenitude, recomendava às jovens: “Sede limpas, asseadas no modo de vestir, sede muito honestas como a Virgem. Todas as virtudes embelezam a alma, porém, a pureza a embeleza de um modo especial, fazendo-a semelhante aos anjos”.
A fé de Josefa se traduzia em uma acendrada devoção à Virgem. Em prova de sua entrega filial à Senhora, ela levou em sua morte o Escapulário do Carmo e um Rosário em forma de colar. O Ângelus, que assinalava ao meio dia o sino da paróquia, era rezado por todas as alunas, assim como a Ave Maria a cada hora e aos sábados a “Felicitação Sabatina”.
Preparava e celebrava com fervor as solenidades da Virgem. O mês de maio, em honra da Virgem, se celebrava na escola-oficina com orações, cantos e oferecimento de flores. Com que alegria celebrou Josefa a declaração dogmática da Concepção Imaculada de Maria! Para recordar tão grato acontecimento, impulsionou a criação da “Corte de Maria” em Algemesi.
Como Carmelita Secular, Josefa tinha uma especial devoção à Santíssima Virgem do Carmo, como tal, em repetidas ocasiões pediu a suas discípulas que, à sua morte, a vestissem com o hábito do Carmo, desejo que se cumpriu fielmente. Esta filiação Mariana a soube transmitir às suas alunas; bastem-nos estes testemunhos: em uma das casas de Algemesi se conserva um grande quadro da Virgem do Carmo, bordado em ouro e seda pela senhora Vicenta Morán através da direção da “Senhora Pêpa”, como era conhecida Josefa em sua terra natal no ano em que morreu nossa Beata. Outro feito mencionado por seu biógrafo relata que, às vésperas de uma das festas da Virgem do Carmo, a uma das discípulas prediletas de Josefa, que se encontrava moribunda, se lhe ouviu invocar à Rainha do Carmelo com estas palavras: “Minha Mãe do Carmo, vem por mim”, e ele mesmo comenta, “feliz alma que assimilou perfeitamente a doutrina e o espírito de sua santa mestra”.


                             
                     VIDA FRATERNA

Viver, em plenitude, o amor a Deus e, verificar esse amor na acolhida ao próximo, foi norma de sua conduta. Deste amor, brotou seu zelo pelas almas e seu afã por ensinar-lhes este modo de pensar e viver.
Tinha muito talento natural e, muita luz e graça de Deus. A isto uniam um grande coração de mãe, que ardia em amor pelas almas que queria salvar. Tudo isso motivava o grande amor, a obediência e a fidelidade que sentiam por ela suas discípulas.
Josefa penetrava o interior das almas, se adiantava ao que queriam dizer-lhe, lia em seus corações; estas qualidades lhe deram um grande prestígio e autoridade em seu povo, fazendo com que todos a quisessem bem, a respeitassem e obedecessem.
Para atrair as almas, primeiro tratava-as com doçura e amabilidade, porém, quando as conquistava, as estimulava, energicamente, para que não se contentassem com pouco, se podiam fazer mais, para servir melhor a Deus e ao próximo. O modo de falar de Josefa era simples, modesto e humilde, começava a falar sempre dizendo: “Filhas minhas...”. Não havia nela ar de suficiência, nem se engrandecia ao ver quantas pessoas acudiam a ela em busca de conselho, por sua fama de prudência e santidade. Ademais, ao pregar às suas discípulas, o fazia com tal fogo e espírito, que nos disse uma delas: Quando nos falava de Deus, tinha muita unção, se emocionava e lhe saíam lágrimas”.

O que ela havia semeado produziu muitos frutos, especialmente manifestos durante seus últimos dias nesta terra. Quinze dias, esteve na cama em fevereiro de 1893; pressentindo aproximar-se a hora de sua morte, no dia 22 (de fevereiro) mandou trazer seu confessor. No dia 23 recebeu os últimos sacramentos. Suas discípulas chegavam à casa: todas queriam vê-la morrer. Com aquela lucidez que Deus lhe concedeu até sua morte, Josefa lhes dizia: “Filhas minhas, filhas de meu coração: que nenhuma me falte lá no Céu. Depois de minha morte, abandonareis o caminho empreendido?... Sempre adiante, nunca para trás!... E continuava lenta, pausadamente, com os olhos apenas abertos: “Filhas minhas: permanecei muito unidas, como os apóstolos”. Assim como as brasas que estão muito unidas, conservam o fogo, e as que estão separadas prontamente se apagam, assim vós, se permaneceis unidas, falando das coisas de Deus, conservareis o fogo do fervor; porém, se vos separais e deixais de tratar estas coisas do espírito, o fogo se apagará... Eu me vou; porém espero que persevereis no gênero de vida que haveis aprendido”.
No dia 24 entrou Josefa nesse tranquilo torpor que precede à morte, todo o dia com os olhos fechados, estava recolhida, como em êxtase, porém falava com um fio de voz quase imperceptível, pedindo que rezassem com ela jaculatórias e outras orações, repetindo ação de graças e que consolo elas lhe estavam dado! Pela noite, na hora de morrer, abriu os olhos e, com voz fraca, porém perceptível, perguntou: “estais todas?”. E acrescentou: “minhas filhas, vou deixá-las!”. E insistiu: “estai unidas, sede fervorosas, sacrificai-vos por Nosso Senhor”. Fez um esforço, o coração lhe atraiçoava, olhou pela última vez às suas discípulas e, com voz apagada, lhes disse: “filhas minhas, filhas de minha alma...” e expirou. Eram 20 horas e 30 minutos do dia 24 de fevereiro de 1893.




Beata Josefa Naval Girbés: 
seu corpo conserva-se incorrupto. 

                      CONCLUSÃO

Josefa Naval Girbés, virgem, porém secular no mundo, abre novos caminhos à santidade da maior parte dos membros da Igreja, que vivem a secularidade. Importante é a vida consagrada, porém a santidade, feita de amor a Deus e de amor ao próximo, não fica apenas guardada no convento ou no sacerdócio. Josefa, virgem, porém secular, é um exemplo!
Ela viveu e morreu no mundo, deixando atrás de si um caminho de luz que seque iluminando àqueles que, na secularidade, buscam a perfeição cristã. Seu mundo, o agitado século XIX, sua casa, sua oficina de trabalho, sua catequese, seus círculos de formação de mulheres, suas obras de caridade, eram seu convento! Dali, ela irradiava amor, amor que alimentava com uma intensa vida interior, cultivada com esmero e tensão, porém nunca perdeu o contato com as pessoas. Vivia entre o povo, atenta às suas necessidades, que fazia suas, ajudando a remedia-las, através dessa proximidade que sua condição de secular propiciava.
Exemplo e palavra! Com que claridade viu Josefa o agir do cristão secular, fermento das estruturas sociais, segura de que, com sua maneira de viver, e com procedimentos de apostolado, percorria o caminho traçado para uma cristã secular em vista de sua santificação pessoal e a dos demais!

Bem-Aventurada Josefa Naval Girbés, rogai por nós!

              (Traduzido do espanhol por Giovani Carvalho Mendes, ocds).