Páginas

sexta-feira, 8 de abril de 2016

SÃO JOSÉ DE CUPERTINO: o "santo voador". Sete dons sobrenaturais que o santo possuía.


São José de Cupertino (1603-1663), padroeiro dos estudantes e conhecido como o santo voador, foi abençoado por Deus com muitos milagres que ele sempre atribuiu à intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria. Abaixo sete eventos sobrenaturais que ocorreram durante a sua vida.



Voava pelos ares

São José de Cupertino constantemente caía em êxtase e seus irmãos frades, bem como os fiéis, o viram “voar” em várias ocasiões. Certo dia, religiosos o viram elevado até uma estátua da Virgem que estava a três metros e meio de altura, dando então um beijo no menino Jesus. Em seguida ele orou no ar com intensa emoção.

O mais famoso destes eventos ocorreu quando os trabalhadores queriam levar uma cruz pesada para uma alta montanha, mas sem sucesso. Então São José elevou-se ao ar com a cruz e a levou ao topo da montanha.


Exorcizava com apenas uma sentença obediente

Seus superiores o escolheram para exorcizar demônios, mas o Santo considerava-se indigno para tal. Por isso, ele usava a seguinte frase contra o mal: “Saia dessa pessoa, se desejar, mas não o faça para mim, mas para a obediência que devo a meus superiores”. E os demônios saíam.


Podia estar em dois lugares ao mesmo tempo

O dom de estar em dois lugares ao mesmo tempo é chamado bilocação ou ubiquidade. Dizem que quando a mãe de São José estava morrendo na aldeia de Cupertino, o Santo, que estava em Assis, sabia. O monge entrou com uma grande luz para o quarto de sua mãe que, depois de vê-lo, partiu para a Casa do Pai.

Em Assis, seus superiores perguntaram por que São José estava chorando amargamente e ele respondeu que sua mãe havia acabado de morrer. Mais tarde foram muitos os que testemunharam o fato do Santo ter acompanhado sua mãe em Cupertino.


Curava com o Sinal da Cruz

Certa vez, um homem arrogante disse a São José: “Ímpio, hipócrita, não por você, mas pelo hábito religioso que você veste, tenho que respeitá-lo. Eu acreditaria em tudo que você faz se com o Sinal da Cruz em minha ferida a mesma ficasse curada”.

O Santo humildemente respondeu que tudo o que ele havia dito sobre ele era verdade e, fazendo o Sinal da Cruz sobre a ferida, o homem foi curado.

Ele também curou a visão de um homem cego colocando-lhe seu casaco sobre a cabeça. Os aleijados e coxos foram curados por beijar o crucifixo que São José colocava diante deles. Os contaminados com uma praga de febre altíssima foram curados quando o Santo fez o Sinal da Cruz em suas testas.


Lia os corações e convertia protestantes

O príncipe luterano John Frederick, aos 25 anos de idade, foi para Assis com dois acompanhantes, um católico e um protestante. Eles entraram na Igreja onde São José foi celebrar a Missa e, no momento da consagração, o Santo não pôde partir a Hóstia Consagrada porque estava dura como pedra e teve de colocá-la de volta na patena.

São José começou a chorar de dor e elevou-se para quase um metro de altura. Ao descer, conseguiu partir a Hóstia com grande esforço. Seus superiores lhe perguntaram o que tinha acontecido e ele respondeu que era devido aos corações duros das pessoas que assistiram à missa.

No dia seguinte, o príncipe voltou com os dois homens e quando o Santo elevou a Hóstia na Missa, a Cruz da Sagrada da Hóstia ficou preta. Isto causou-lhe grande dor e choro, o que o fez levitar por cerca de 15 minutos. Este milagre balançou o coração do príncipe, o levando a se converter à fé católica juntamente com o seu companheiro protestante.


Se comunicava com os animais

Quando passava por um campo e se colocava a rezar, ovelhas se reuniram ao seu redor e ouviram suas orações atentamente. As andorinhas voavam em bandos em torno de sua cabeça e acompanhavam-no por vários quarteirões.


Profetizou o futuro dos Papas

Uma vez o levaram até o Papa Urbano VIII, o qual queria saber se era verdadeiro o êxtase e os episódios de levitação do Santo.


São José compareceu perante o Papa e levitou pelo ar para o espanto de todos os presentes. O Santo ainda previu a hora e o dia da morte do próprio Papa Urbano VIII e de Inocêncio X.





(Fonte do texto: site pioveritas.com)