Páginas

sábado, 1 de julho de 2017

Beato Secondo Pollo, presbítero e capelão militar (mártir da caridade).


Para a cidade de Alpine, Itália, é seu primeiro “santo”. Para os capelães militares é o primeiro modelo, a sua maior glória (até o momento) nos altares. Para toda a Igreja um verdadeiro “mártir da caridade”. Não podemos deixar de reverenciar sua memória, desse modelo de sacerdote beatificado em 23 de maio de 1998, em Vercelli.

Nascido em Caresanablot (pequena aldeia na província de Vercelli), em 02 de janeiro de 1908, quando criança foi aluno dos Irmãos das Escolas Cristãs, ou Lassalistas, que muito contribuíram com sua sólida formação cristã. Talvez aí tenha nascido sua vocação. Apoiado por seu pároco, ingressou em 1919, com apenas 11 anos, no seminário. Logo passou para Roma, para o seminário lombardo, doutorando-se em Teologia e em Filosofia. Foi ordenado sacerdote em 1931, aos 23 anos de idade.
Foi destinado ao seminário menor de Monerivello, ao mesmo tempo em que exercia o serviço de capelão de duas aldeias. Em pouco tempo foi designado professor do seminário maior e consiliário diocesano da Ação Católica de Jovens.
Em 1940, e antes de sua incorporação ao Exército como capelão, foi cura encarregado das paróquias de Caresanablot e Larizzate. Foi também confessor de vários colégios, reitor diocesano da União Apostólica dos Sacerdotes, capelão do cárcere das mulheres e exerceu amplo apostolado auxiliando sacerdotes que o chamavam para pregar em suas paróquias.
Compreendendo o bem espiritual que podia fazer aos jovens soldados, aceitou à nomeação de capelão militar, sendo lotado na terceira legião dos Alpinos, chamada “Val Chisone”. Dedicou-se totalmente ao bem e ao serviço dos soldados, dos quais se tornou rapidamente o bom pastor, amigo e companheiro de suas almas.   
Sua morte foi no cumprimento de seu ministério. Depois de celebrar com os soldados o Natal, em um ataque inimigo, foi atender a um soldado moribundo e, enquanto o consolava e administrava os sacramentos, uma bala atingiu a artéria femoral, sangrando até morte. Como homenagem póstuma, foi-lhe concedida a cruz de prata de valor militar.
A Santa Igreja também reconheceu seus méritos: seu amor à vocação sacerdotal e sua dedicação ao serviço e pastoreio das almas.





Nenhum comentário:

Postar um comentário