Páginas

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

BEATOS PE. JOSÉ CALASANZ E PE. HENRIQUE SAIZ APARICIO E 93 COMPANHEIROS, Mártires Salesianos




Desde os primeiros tempos, e sempre assim continuará a suceder, alguns cristãos foram chamados a dar este máximo testemunho de amor diante de todos, e especialmente perante os perseguidores. Por esta razão, o martírio, pelo qual o discípulo se torna semelhante ao mestre, que livremente aceitou a morte para salvação do mundo, e a Ele se conforma no derramamento do sangue, é considerado pela Igreja como um dom insigne e prova suprema de amor.” LG 42





Como o próprio trecho da Lumen Gentium assinalou, desde os primeiros tempos os cristãos sofreram perseguições. Assim foi no período mais clássico, até 313 d.C., ano em que o Imperador Romano Constantino reconhecia, com o Edito de Milão, a liberdade de culto à religião cristã; posteriormente houve outros períodos conturbados na história de perseguição aos cristãos, como a Revolução Francesa e entre outras revoluções e regimes ditatoriais/totalitários que existiram. Também os cenários missionários na África, na América e na Ásia foram (e em alguns lugares, continuam a ser) palco do martírio de inúmeros cristãos.
Um desses acontecimentos na história iniciou-se em 18 de julho de 1936, quando estourou a Guerra Civil Espanhola, que durou até 1939. Comandando o exército espanhol, o general Francisco Franco tentou um golpe de estado contra o governo democrático. Sendo mal sucedido, a Espanha dividiu-se entre falangistas e republicanos. Foi então um período dramático e sangrento, de antagonismos ideológicos, transformando-se num embate entre fascismo e democracia que provocou muitas mortes e destruição. Também a Igreja espanhola sofreu uma violenta perseguição, e foram presos e assassinados inúmeros sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos, simplesmente por serem cristãos.
Entre tantas pessoas massacradas, estão incluídos 95 membros da Família Salesiana. Para o processo de causa de martírio foram divididos em três grupos, que depois se reduziu a dois: José Calasanz e 31 companheiros, da cidade de Valência; e Pe. Henrique Saiz Aparicio e 62 companheiros, das cidades de Sevilha e Madri. No geral são 39 sacerdotes, 22 clérigos, 24 coadjutores, 2 Filhas de Maria Auxiliadora, 4 salesianos cooperadores, 2 aspirantes salesianos e 1 colaborador leigo.
O grupo de Valência foi beatificado em 11 de março de 2001, pelo Papa João Paulo II, dentro de um grupo de 233 mártires. Os grupos de Sevilha e Madri foram beatificados no dia 28 de outubro de 2007, pelo Papa Bento XVI, dentro de um grupo de 498 mártires. Inúmeras pessoas, homens e mulheres, de diferentes idades e vocação, e que tiveram a coragem de testemunhar sua fé em Jesus Cristo e na Igreja. Morreram unicamente por motivos religiosos. Um grupo numeroso, mas que não anula as características e o testemunho de cada indivíduo, tendo cada um seu nome e sua história. Ao contrário, o número elevado mostra o valor e importância da comunidade cristã, da unidade, e revela também o chamado universal a santidade. Não foi só ‘esse’ ou ‘aquele’, mas um grupo que testemunhou a sua fé juntos. E todos eles, segundo o que consta nos processos canônicos para a declaração como mártires, antes de morrer perdoaram os seus executores.
Dom Bosco em sua época já não descartava o martírio, sobretudo em relação com as missões ad gentes. Por isso, quando projetava com os salesianos o método que deveriam seguir nas missões em terras distantes, se atreveu a pedir-lhes a máxima generosidade: “Se o Senhor em sua Providência – dizia – dispusesse que algum de nós sofresse o martírio, teríamos que nos amedrontar por isso?”. (MB, 21). Antes deste caso na Espanha, houve um caso na China e outro na Polônia. O martírio também faz parte da Santidade Salesiana.
Como estão com os nomes levados a frente, vejamos brevemente um pouco da vida do Pe. José Calasanz e do Pe. Henrique Saiz Aparicio:


BEATO JOSÉ CALASANZ





Calasanz: nasceu em Azanuy, na província de Huesca (Espanha) aos 23 de novembro de 1872, de uma família de lavradores. Perdeu o pai aos dez anos e aos onze, a sua mãe. Foi morar com a tia em Barcelona, que servia na casa de uma família de cooperadores salesianos que pagaram os estudos do menino. Conheceu Dom Bosco pessoalmente quando estudava no colégio de Sarria, no ano de 1886. Foi encaminhando-se para a vida salesiana e sacerdotal, tornando-se salesiano em 1890 e cinco anos depois, sacerdote. Foi secretário do Pe. Felipe Rinaldi, que hoje também é beato, e foi missionário das terras de Cuba, Peru e Bolívia. Homem trabalhador, educado, humilde, enérgico e de grande espírito de serviço. Voltou a Barcelona em 1925, como superior provincial, e em julho de 1936 estava pregando exercícios espirituais na casa salesiana de Valência. Quando a guerra eclodiu, a casa foi invadida e eles foram levados ao cárcere; de lá escreveu para o Reitor Mor, na época, Pe. Pedro Ricaldone: “Eu não sei o tempo que temos aqui: Deus sabe se vai se prolongar por uns dias ou por semanas; e sei muito menos se a morte espera-nos. Mas a nossa confiança está posta em Deus e na proteção de Maria Auxiliadora e de nosso pai Dom Bosco. Tão pouco duvidamos de sua bênção e das orações do senhor e demais superiores e irmãos”. Aos irmãos que junto a ele viviam tais dificuldades, dizia: “Há que ter confiança na Divina Providência. E se nos matam, nos voltaremos a ver no Céu.”. Pe. Calasanz foi morto com um tiro de fuzil na cabeça enquanto estava em uma camionete, sendo levado junto com outros salesianos, pelos milicianos.



Sacerdotes: José Batalla Parramón (1873-1936). José Bonet Nadal (1875-1936). Jaime Bonet Nadal (1884-1936). Antonio María Martín Hernández (1885-1936). Sergio Cid Pazo (1886-1936). Juan Martorell Soria (1889-1936). Julio Junyer Padern (1892-1938). Recaredo de los Ríos Fabregat (1893-1936). Francisco Bandrés Sánchez (1896-1936). Julián Rodríguez Sánchez (1896-1936). José Otín Aquilué (1901-1938). José Castell Camps (1901-1936). José Giménez López (1904-1936). Alvaro Sanjuán Canet (1908-1936). José Caselles Moncho (1907-1936). Coadjutores: José Rabasa Bentanachs (1862-1936). Angel Ramos Velázquez (1876-1936). Gil Rodicio Rodicio (1888-1936). Jaime Buch Canals (1889-1936). Augusto García Calvo (1905-1936). Eliseo García García (1907-1936). Jaime Ortiz Alzueta (1913-1936). Clérigos: Miguel Domingo Cendra (1909-1936). Félix Vivet Trabal (1911-1936). Pedro Mesonero Rodríguez (1912-1936). Felipe Hernández Martínez (1913-1936). Zacarías Abadía Buesa (1913-1936). Javier Bordas Piferrer (1914-1936). Colaborador leigo: Alexandro Planas Saurí (1878-1936). Filhas de Maria Auxiliadora: Maria Carmen Moreno Benítez (1885-1936), vigária inspetorial, foi diretora e confidente da Beata Irmã Eusébia Palomino, que lhe profetizou o martírio, e Maria Amparo Carbonell Muñoz (1893-1936).



BEATO ENRICO SAIZ APARICIO


Início do processo: 8-2-1995
Conclusão do processo: 22-4-1996
Beatifição : 28-10- 2007



Henrique Saiz Aparicio: nasceu em Ubierna, na província de Burgos (Espanha) em 01 de dezembro de 1889. Professou como salesiano em 1909, e tornou-se sacerdote em 1918. Desde 1934 estava em Carabanchel Alto, periferia de Madri, como diretor do aspirantado. Em 1936 o instituto também foi invadido pelos milicianos. Prontamente o Pe. Henrique disse: “Se vocês querem sangue, aqui estou eu. Mas não façam mal aos meninos”. Os jovens foram libertados, enquanto Pe. Henrique e oito salesianos foram presos e posteriormente, mortos. Enquanto estavam no cárcere, ele procurou dirigir, aconselhar e acompanhar os irmãos que estavam com ele. Dizia: “temos que nos preparar, pois nosso martírio é certíssimo”. E antes de morrer, confiou a um amigo: “Que há de melhor do que morrer para a glória de Deus?”. Ofereceu a vida aos jovens que lhe haviam sido confiados pela Divina Providência.

Beato Enrico (Henrique) Siz Aparicio


Com o belo testemunho destes nossos irmãos na fé, que possamos também refletir sobre a nossa vida. Qual tem sido nosso testemunho de cristãos na sociedade? No dia a dia também somos chamados ao martírio, talvez não a esse vermelho dos mártires da Espanha, mas um martírio branco, daquele desgastar-se dia a dia pela causa do Reino de Deus, testemunhar Jesus Cristo nos diversos ambientes em que estamos inseridos, ainda que nas adversidades. Que a exemplo e sob o impulso do testemunho dos mártires da Espanha, que hoje a Igreja e a Família Salesiana nos colocam como modelo, e ajudados pela Virgem Maria Auxiliadora dos cristãos, possamos buscar cada dia mais uma maior vivência da nossa essência cristã.


Fontes:
santidadefs.blogspot.com/2015/09/bem-aventurados-jose-calasanz-e.html
www.paroquiasaocristovao.net/?page_id=7700
www.paroquiasaocristovao.net/?page_id=7686
Imagens do Google.








Nenhum comentário:

Postar um comentário